7 Erros que um investidor nunca deve cometer

Numa fase inicial, um investidor, resultado da sua inexperiência, comete erros que se podem refletir em maus investimentos e a completa desistência do investidor em investir novamente.

Este artigo serve de orientação para que os futuros investidores já não cometam estes erros, e obtenham o maior retorno possível.

Abaixo seguem os erros mais comuns dos investidores inexperientes.

7 – Investir sem fazer pesquisa e estudar o mercado e as suas empresas;

               Muito importante investir não é o mesmo que apostar de sorte. Este é um erro muito comum que acontece nos primeiros investimentos de muitos investidores. É necessário o estudo do meio envolvente e as empresas nele inseridas porque investir tem custos, comprar e vender ações tem taxas e se não existir uma pesquisa, o investidor, pode perder muito dinheiro.

 

6 – Investir dinheiro que é para uso a curto prazo;

                Investir na banca pode trazer um retorno muito positivo, contudo é sempre a longo prazo. Nunca devemos investir o dinheiro que esta para uso a curto prazo pois não vamos obter o retorno a curto prazo. Um bom investidor faz em média os seus investimentos com uma expectativa de retorno no mínimo de 3 anos.

 

5 – Falta de noção de risco;

                Investir na bolça não é 100% garantido que poderá receber o seu retorno. Ao fazer investimentos podemos perder dinheiro se, como já foi dito, não existir um estudo do mercado e das empresas. Contudo mais perigoso que não fazer a pesquisa é não ter a noção que o investimento pode correr mal.

 

4 – Investir todo o dinheiro na mesma empresa (todos os ovos no mesmo cesto);

                Nunca devemos investir todo o nosso dinheiro na mesma empresa, pois reflete-se um risco para os investidores. Se a empresa por algum motivo, tem resultados negativos inesperados ou entra em falência, os seus investidores podem perder dinheiro pois o valor das suas ações pode baixar repentinamente. Os valores das ações oscilam estando sempre a subir e a descer, tendo em conta o ambiente envolvente e os resultados da empresa.

 

3 – Comprar ações só por estarem baratas;

                Muitos investidores numa fase inicial procuram este método na expectativa de criar o seu “primeiro milhão”, pois são muitos os casos de empresas que começam do zero e se tornam grandes empresas. Contudo, nem todas a empresas se tornam grandes empresas. Estes ditos “pequenos investimentos” mesmo que seja de 1 cêntimo, se esse dinheiro não render, torna-se em 1 cêntimo perdido. Tendo isso em conta, um investidor deve saber destingir valor de preço, pois uma ação pode ter uma preço elevado e render bastante e outra ação ter preço baixo e não render nada. No final fica mais cara não a ação com o maior preço mas a ação com a menor rentabilidade.

 

2 – Comprar e vender ações em excesso;

                A compra e venda de ações sem se esperar pelo seu respetivo retorno pode revelar-se negativa para os investidores, porque esse processo de venda e compra está sempre acompanhado de taxas a suportar pelo investidor e este não recebe o investimento que é suposto resultante de um investimento de longo prazo, ou seja, não se espera o suficiente para fazer estas ações renderem ao máximo.

 

1 – Não acreditar na capacidade de investir sozinho e procurar apoio de terceiros e/ou investir com terceiros;

                A melhor pessoa para cuidar do seu dinheiro é a própria pessoa. Quando existe o envolvimento de terceiros nestes processos de decisão e aplicação de investimentos, existe sempre conflito de interesses. Para evitar esses conflitos um investidor deve investir por conta própria.